segunda-feira, julho 20

Diplomas, reembolso de tradução e o Emplois-Québec

6a00e398c99a11000200f48d099e680001-500pi

Essa semana foi como uma jornada pelo processo kafkiano, daqueles de acabar com o bom humor de qualquer um. Compatilho com vocês alguns dos meandros burocráticos do Québec (já aprendi que aqui não dá pra falar Canadá porque ofende).




Equivalência de diplomas

Resolvi dar entrada no meu pedido de equivalência de diplomas. Isso foi depois de perceber que, pra boa parte dos cursos de caráter técnico, as instituições exigem esse papel (obs.: as universidades, por sua vez, geralmente não pedem isso não, e fazem a equivalência do jeito delas).

Lá fui eu pro MICC. Documentos necessários:

  • Diplomas e históricos originais;
  • Traduções juramentadas originais;
  • Documento de identidade (só valem PR Card e passaporte);
  • 105 dólares (aceitam cartão de crédito);
  • Formulário completo (dá pra baixar aqui)

Tava cheio mas até que foi rápido, coisa de uma hora. Eles tiram cópias dos documentos todos, não é necessário levar cópia pronta. Duro é aguentar a falta de educação do povo do atendimento. Quando dei entrada nos procedimento, a ridícula que me atendeu (digo ridícula pra não dizer vaca, porque vaca é um bicho legal) era cheia de sarcasmo, toda nervosinha. Olha, o sangue ferve só de lembrar. Pra qualquer coisa que perguntasse, a cretina respondia que não fazia “aucune idée”. Nos finalmentes, abri meu sorriso mais simpático e soltei um “Merci madame, vous êtes très très gentil”. Ela deu uma arregaladinha dos zóinhos. Que ódio!

Daqui a 45 dias, com a força e a graça de René Levesque, fica pronto meu bendito documento.

CLE, Centre Local d’Emplois

Para ter acesso aos serviços do Emplois-Québec, a gente tem de abrir o dossiê em um dos CLE distribuídos por várias regiões da cidade. Pra ver onde você deve ir, basta colocar o code postal aqui.

Se você tiver sorte e não for parar no CLE do Côte-des-Neiges, talvez não passe pelas mesmas desventuras que eu: consegui começar a ser atendida na quarta vez em que fui lá. Até abaixo-assinado eu assinei, pra dar uma idéia do drama.

Seguinte: o horário oficial do negócio vai das 8h30 às 16h30. Mas se você quiser uma audiência, vai ter de chegar lá pelas 7 da manhã e se plantar na frente da porta. Isso porque lá pelas 9h é comum colocarem um papel nos guichês dizendo que não há mais conselheiros em emprego disponíveis no dia. E sem o tal conselheiro não se consegue nada. Depois do primeiro encontro, fica tudo mais tranquilo. É só ligar e pedir o rendez-vous.

Detalhe importante: vá bem informado sobre o que deseja solicitar. De preferência, leve tudo impresso. É prática comum aqui o funcionário dizer que tal coisa não existe, que não é com eles, quando é sim.

É no Emplois-Québec, aliás, onde se pede o tal assurance sociale, mas já adianto que nem perguntei sobre o assunto. Meus interesses eram dois:

a) Cursos financiados pelo Emplois-Québec: são muitos e de nível técnico e colegial.

Detalhe 1: o Emplois-Québec paga tudinho, mas não dá bolsa. Dá pra entrar na assurance social, mas não quero isso não. Não sei se é lenda urbana, mas todo mundo fala que isso suja legal o currículo e atrapalha o histórico de crédito. No meu caso, estou achando mais interessante socilitar o prêt-bourse em outras modalidades de cursos. Ah, e não, não dá pra pedir bourse quando o Emplois-Québec tá pagando o curso pra você.

Detalhe 2: um dos cursos pelos quais me interessei tem as inscrições agora em agosto. O problema é que, na data, minha equivalência não estará pronta. Me lamentei pra minha conselheira e ela disse que é possível o Emplois-Québec enviar uma carta ao MICC pedindo urgência no processo. Isso eu achei bem legal.

b) Reembolso da tradução.

Isso já tava virando quase lenda urbana também. Ninguém parecia saber nada sobre o assunto, inclusive a ilustre senhora que mencionei na primeira parte desse post.

Acontece que eles fazem o reembolso das traduções juramentadas (desde que feitas aqui, e que no meu caso custaram 300 dólares) se elas forem usadas em uma das duas situações abaixo:

  • obtenção de um emprego em que a equivalência seja condição sine qua non. Exemplo: profissões com ordem, ou emprego em cargo público;
  • inscrição em uma formação profissional patrocinada pelo Emplois-Québec (não, com prêt-bourse não vale).

Ou seja, no donuts for you, Claudia…

homero-simpson-wallpaper-homer-1024

14 comentários:

Azize disse...

Em relação aos cursos que o Emploi-Québec paga, geralmente, eles dizem que cursos de escolas "públicas" até o Cegep estão incluídos. Ok, o ITHQ é público, mas a "madame" que me atendeu disse que é particular e que não está incluso na lista de formações do Emploi-Quebec, ou seja, pret et bourses. E amanhã vou dar entrada na minha equivalênciam, bom saber desse ótimo atendimento que vc teve, ja vou com as caneleiras e chuteiras para me preparar para o estresse!
Valeu a dica e até mais

Lely K. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lely K. disse...

Eu já li muita gente dizendo queé melhor fazer essa Avaliação comparativa de estudos já daqui do Brasil, que é melhor e isso e aquilo.

Vc chegou a estudar essa hipótese? Apesar do mau atendimento, é melhor fazer isso já no Quebec?
Abraços,
Lely

Bea disse...

A questão é que fazendo aqui no Brasil, adianta e muito o processo, vc não tem que esperar tanto, porém fica a dúvida:

eles reembolsam depois? duvido!

Clau e Zé disse...

Então, nós não fizemos antes justamente porque nos recomendaram assim, na entrevista de obtenção do CSQ (o Leblanc falou que era melhor fazer qdo chegássemos em Montréal) e no rendez-vous com o agente de imigração aqui.
Ah, e já nos falaram que mtas vezes não aceitam tradução juramentada feita no Brasil, tem de ter o carimbo de um daqui...

Bea disse...

Pois é, mas vi esses dias, num blog (não lembro qual foi) que o casal tinha começado o processo por aqui, mandando os documentos para um tradutor juramentado em Montréal e depois esse tradutor mandou para eles aqui no Brasil. Eles puderam pagar a tradução inclusive no cartão (bom né?) e assim que receberam já mandaram pro MICC.
Achei bem legal e válido, por que adianta a espera em pelo menos 2 meses...
Mas como cada um é cada um... vcs acharam melhor seguir o conselho do Leblanc, normal! Eu também seguiria, pq afinal a gente sempre tem dúvidas e vai pelo que as pessoas que conhecem e tem experiência aconselham.

Espero que sua 'via crucis' acabe o mais rápido possível e que dê tudo certo! ;)

Camila disse...

Nooooossa, Clau! Que chato, hein?

Bom, apesar dos pesares, as coisas estão caminhando, né? Ou se arrastando, talvez! ;o)

Tomara que eles dêem uma apressada no seu processo pra dar tempo de você fazer o curso que escolheu.

Um grande beijo e boa sorte sempre!

Rodrigo Braga disse...

Cláudia,

só à título de informação. Você encontrou algum curso lá relacionado a área de comunicação? Sei que você deve estar totalmente sem tempo por aí. Mas o tema desse posto é valiossísimo para todos nós. Sou jornalista e chego em Montréal daqui a 20 dias. Se você pudesse discorrer mais sobre o assunto, seria ótimo.

De qualquer forma, muito obrigado por você fazer o que já têm feito. Saiba que seu blog é de MUITA utilidade para os imigrantes de plantão, mas também é um lugar para ler e se distrair com seus posts não-relacionados ao Québec.

Um abraço

LiliX disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
LiliX disse...

afeee....que René Levesquez lhe abençoe querida....e a mim tmb!
rs

Claaaaaaau...já fez sua listinha de itens brasileiros q vc quer improtar?
Tou chegando hein! 28 dias and counting!

Feliccyty disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fe Bodnar disse...

Nossa que dificil hein!!!!

Já mandei dois e-mails ma tentativa de esclarer duvidas e eles me respoderam depois de quatro meses...nem lembrava deles..rss
Parabéns e obrigada pelas informações postadas no blog, já me ajudaram e ainda me ajudam muito...principalmente em relação ao meu petit chien, fiquei mais segura em levá-lo depois que li sua experiência.

Boa sorte!!!!

Claudinha disse...

bem...depois de 7 anos a viver fora do Brasil a conclusão que tiro destes processo todos é que a burocracia é uma arma poderosa que faz com que muita gente boa desita da regularização da sua situação e volte para casa ...
O mur diploma aqui não é reconhecido...pois não existe nenhum curso equivalente aqui...eu teria que retornar a universidade para a graduação e fazer mais dois anos...conclusão...desisti do diploma e aqui só tenho como oficial a conclusão do ensino médio...
quanto a papelada de imigração parece novela mexicana...mas felizmente teve fim e em 2010 passoa ser portuguesa tbem...aapesar de já poder usufruir de todos os direitos e deveres(voto e pago impostos) dos portugueses de gema pois a minha filha é portuguesa...
Agora quanto a ridicula ( não a chamemos de vaca pois as vacas ficariam ofendidas) aqui há aos montes...elas tem mesmo prazer em nos menosprezar e nos colocar como se estivessem a nos fazer um favor!!!Mas o caminho certo é mesmo esse de agradecer a gentileza delas com a mesma ironia com que elas nos tratam...
Entretanto acredito qque tesn melhor sote do que nós em Portugal...pelo menos é mais chique...é tudo falado em frances...rsrsrsr

Clau e Zé disse...

Oi, Rodrigo,
Pretendo publicar algo sobre comunicação em breve, ok?
Vou contar sobre tooodas as minhas pesquisas....

Brigada pela solidariedade, minha gente!